Inscreva-se

Inscreva-se

Como medir a capacidade de endividamento da sua PME

Artigo mais popular

Como medir a capacidade de endividamento da sua PME

A capacidade de endividamento depende de muitos fatores. Aqui estão algumas sugestões, conselhos e recomendações para contrair dívidas sem comprometer o seu negócio.

  • Rendimento mensal, custos fixos, custos financeiros e fiscais, fluxo de caixa… A capacidade de contrair empréstimos depende de muitos fatores.
  • Na ausência de uma análise personalizada, é aceite como adequado um nível de endividamento de 30% da sua capacidade de rendimento.

Qual é a capacidade de endividamento de uma PME? Quais são os seus limites e até onde pode ir antes de ser considerada insolvente? Para responder a estas questões, temos primeiro de definir o termo endividamento.

O que é o endividamento?

O endividamento é a geração da dívida. Com a dívida, assumimos o compromisso de pagamento num determinado momento.

Numa PME, o endividamento pode ser gerado, por exemplo, quando se pede um empréstimo. O banco concede-nos uma quantia de dinheiro, que teremos de reembolsar dentro de um determinado período de tempo. Este é o compromisso de pagamento (dívida).

O nível ou capacidade de endividamento é medido em função da nossa solvência. Uma PME é solvente quando tem a capacidade económica para cumprir as obrigações de pagamento imediatas e inevitáveis que adquiriu.

Então, qual é a capacidade de endividamento da minha PME?

Vários relatórios e analistas fixaram o nível de endividamento adequado em 30% do rendimento. Por outras palavras, se o rendimento mensal recorrente da minha PME é de 100.000/mês, a minha capacidade máxima de endividamento seria de 30.000/mês.

Se, para gerar esses 100.000 euros/mês, tiver de enfrentar obrigações de pagamento de mais de 30.000 euros no mesmo período, estaríamos no limite da nossa capacidade de endividamento. Este montante inclui obrigações que vão para além dos empréstimos bancários. Inclui qualquer obrigação de pagamento a curto prazo, tais como salários, pagamentos a fornecedores, compras necessárias para manter o nível de produtividade, etc.

A elaboração de um plano de negócios anual é essencial para medir a capacidade de endividamento.

Medir com maior precisão a capacidade de endividamento da minha PME

Os números acima referidos fornecem parâmetros gerais para estabelecer uma capacidade de endividamento saudável numa pequena ou média empresa. No entanto, é sempre aconselhável realizar uma análise personalizada, uma vez que as empresas têm circunstâncias especiais que influenciam a sua capacidade de contrair dívidas.

A fim de medir este parâmetro com maior precisão, é indispensável dispor de um plano de negócios da empresa. Isto deve colocar de um lado da balança uma previsão realista das receitas que será capaz de gerar ao longo do ano. Este número deve ser confrontado com:

  • Custos fixos periódicos.
  • Obrigações fiscais (pagamento de impostos).
  • Custos financeiros (resultantes de empréstimos, leasing ou outros instrumentos de financiamento).
  • Custo de aquisição de matérias-primas ou serviços necessários para produzir os bens ou serviços que nos permitem faturar.

Um nível adequado de endividamento seria aquele que nos permite responder confortavelmente a estes compromissos de pagamento. Para tal, devemos ter em conta não só os rendimentos recorrentes, mas também:

  • Valor dos ativos da empresa, que, se vendidos, gerariam um volume de rendimentos com o qual poderíamos cumprir os nossos compromissos de pagamento.
  • Nível de tesouraria. Por outras palavras, a liquidez disponível na conta da empresa. Especialistas em consultoria financeira estabelecem que uma PME saudável seria aquela que é capaz de cumprir os seus compromissos de fluxo de caixa adquiridos com um ano de antecedência.

Conselhos para manter um nível de endividamento saudável

Para manter um nível de endividamento saudável numa PME, temos de rever periodicamente os custos fixos da nossa empresa. Um bom exemplo disto seria a eletricidade necessária para o funcionamento da empresa. Devemos rever periodicamente o que outros fornecedores nos oferecem, com o objetivo de reduzir ou controlar este tipo de custos fixos a todo o momento.

Um segundo conselho é a realização de uma avaliação adequada do nosso património. Algumas PME possuem escritórios, equipamento, armazéns… Qual é o seu verdadeiro valor de mercado? Se quisesse vendê-los e obter liquidez, quanto obteria e quanto tempo demoraria a obtê-lo? Uma avaliação precisa deste parâmetro permitir-nos-á adquirir um nível de endividamento maior ou menor sem comprometer a atividade da empresa.

Outra secção a ter em conta é a capacidade de reestruturação do seu negócio: pode concentrar-se facilmente nas áreas produtivas mais rentáveis num curto espaço de tempo? Pode vender linhas de negócio que considera menos operacionais rapidamente? A que preço? Pode abrir rapidamente linhas de negócio que oferecem uma elevada rentabilidade?

E, finalmente, é aconselhável fazer negócios com empresas fiáveis. Por outras palavras, temos de ter a certeza de que vamos receber. Ao calcular a capacidade de endividamento, temos sempre em conta a nossa capacidade de gerar rendimentos. Isto inclui a certeza real de que receberemos pelo nosso trabalho ou vendas. Caso contrário, iremos gerar uma lacuna de liquidez que poderá comprometer futuras obrigações de pagamento. Isto tem um impacto negativo na nossa capacidade de contrair empréstimos.

A capacidade de endividamento de uma PME dependerá, portanto, de vários fatores. E não se esqueça que uma boa regra de ouro é não assumir compromissos de pagamento que excedam 30-35% da sua capacidade de gerar receitas.