Inscreva-se

Inscreva-se

Cinco dicas para as cadeias de fornecimento lidarem com uma retirada de produto do mercado

Back to search results

Cinco dicas para as cadeias de fornecimento lidarem com uma retirada de produto do mercado

Em junho de 2020, a FDA* alertou os consumidores para a retirada do mercado voluntária de um antissético de mãos que continha potencialmente metanol (álcool de madeira) e que poderia ser tóxico quando absorvido pela pele ou ingerido. O envenenamento por metanol pode resultar em náuseas, vómitos, dores de cabeça, visão turva, cegueira permanente, convulsões, coma, danos permanentes para o sistema nervoso ou morte.

Em julho de 2020, a Comissão Europeia** emitiu um alerta sobre um gel de mãos antissético que continha metanol, mas também uma quantidade insuficiente de etanol e de isopropanol, o que significava que não matava bactérias nem vírus, que poderiam assim contaminar o utilizador,

Sobretudo numa altura em que dependemos de produtos de limpeza como estes, era necessário retirá-los do mercado. As empresas são responsáveis pela produção de produtos seguros que contenham os ingredientes e os nutrientes prometidos. Os consumidores têm de confiar que os produtos que compraram são seguros.

Infelizmente, como estes dois exemplos demonstram, os erros acontecem. É por isto que é tão importante que as empresas tenham os processos relacionados com as cadeias de fornecimento em ordem, e que, quando os problemas aparecem, tenham um processo para retirada do produto do mercado rigoroso, eficiente e útil.

Apresentamos algumas dicas sobre como organizar retiradas de produto e gerir as cadeias de fornecimento como deve ser:

  1. Mantenha-se atualizado sobre regulamentos em constante mudança

Os regulamentos sobre a segurança dos produtos são complexos, variam de país para país e mudam frequentemente: quase sempre no sentido de uma maior rigidez. Quando a sua empresa de fabrico se expande para outros países, o fardo da conformidade cresce, bem como a probabilidade e complexidade de uma retirada de mercado.

Dispor de um repositório central regulamentar (parte de um ERP moderno) ajudá-lo-ia a cumprir os regulamentos existentes e a implementar regulamentos novos. O repositório oferece um quadro de referência sólido para o manter do lado certo da lei, onde quer que opere.

  1. Mantenha um sistema robusto e atualizado de visibilidade da cadeia de fornecimento

Quando um produto é identificado como estando danificado, seja por consumidores ou por um elemento da cadeia de fornecimento, terá de determinar a potencial extensão da contaminação, com recurso a estas perguntas:

  • Quais os lotes dos produtos que têm defeito?
  • Quais as matérias-primas que estão envolvidas?
  • Que outros lotes partilharam as mesmas matérias-primas, ou passaram pelas mesmas instalações de produção?
  • Este é um problema novo, ou já tem algum tempo?

Se dispuser de dados atualizados para responder a estas perguntas poderá identificar rapidamente e com exatidão onde está o problema e poderá lidar com o assunto com confiança, oferecendo garantias ao mercado e atenuando os custos da retirada do produto.

Para ter acesso aos dados em tempo real, deverá armazená-los a nível central, para poder rastrear dados nos cantos mais recônditos da cadeia de fornecimento, com recurso ao processo de produção e aos consumidores. Os reguladores esperam que seja capaz de relacionar ingredientes e clientes por via de processos complexos de produção. O resultado de não ter estes processos implementados pode ser uma retirada de produto em grande escala, que poderá levar uma empresa à falência.

  1. Seja completamente transparente, a informação espalha-se muito rápido

Os consumidores têm acesso a relatórios sobre problemas com produtos assim que estes são publicados. Uma retirada de produto mal gerida poderá danificar a reputação da sua empresa, por vezes de modo irreparável, e, como tal, precisa de controlar a narrativa. A melhor estratégia, e a mais segura, passa por comunicar com autenticidade que tem a situação sob controlo e que dispõe das soluções certas.

De modo a não perder a confiança dos consumidores, nunca faça qualquer declaração sobre a qual não esteja certo que corresponde completamente à verdade, sobretudo quando a pressão é muito alta no momento da retirada do produto. É neste ponto que é crucial ter uma forte visibilidade da cadeia de fornecimento, porque esta lhe permite ser autêntico sobre a potencial extensão dos problemas e apontar a causa rapidamente, o que é essencial para proteger a sua reputação.

  1. Reduza o risco e o impacto de uma retirada de produto do mercado

A prevenção é melhor do que a cura e, sendo impossível eliminar completamente a possibilidade de uma retirada de um produto, há passos que podem reduzir a probabilidade de esta ter lugar e atenuar as consequências:

  • Leve a cabo simulações de retiradas de produto.
  • Agilize e afine as linhas de produção e as opções de embalamento.
  • Reserve amostras de lotes para que possam ser rapidamente testadas.
  • Reduza as quantidades dos lotes para que seja mais fácil isolar os produtos com defeito.
  • Mantenha uma comunicação próxima com todos os elementos da cadeia de fornecimento.
  • Analise e melhore os processos da cadeia de fornecimento continuamente, para identificar defeitos imediatamente.
  • Monitorize as opiniões dos consumidores, incluindo nas redes sociais, para identificar defeitos imediatamente.
  • Empregue uma equipa de gestão de crises.

Inovação da Distribuição

Como manter-se relevante e otimizar as operações num cenário cada vez mais lean.

Download gratuito
  1. Disponha de um plano de gestão de crises pronto para emergências

O tempo urge quando há um problema com um produto alimentar ou com uma bebida. É também aconselhável ter implementado um plano de gestão de crises pré-estabelecido para garantir que está sempre pronto para qualquer crise.

Um plano eficaz de gestão de crises na área alimentar e das bebidas poderá incluir alguns destes pontos:

  • Determinar a gravidade do risco.
  • Identificar a extensão da contaminação e isolar os lotes afetados.
  • Notificar os distribuidores e os retalhistas tão cedo quanto possível.
  • Ativar procedimentos de retirada de produtos testados e comprovados.
  • Reportar o problema à autoridade competente.
  • Publicar informação transparente sobre a retirada junto dos consumidores.

A rastreabilidade é essencial para garantir aos consumidores que estão a comprar a um fornecedor de confiança. Saiba como o ERP Sage X3 pode ajudar!

Notas:
*FDA
**Comissão Europeia