Inscreva-se

Inscreva-se

O ambiente das empresas estende-se muito para além dos seus limites de propriedade!

Crescimento de Negócio e Clientes

O ambiente das empresas estende-se muito para além dos seus limites de propriedade!

Planeamento ecológico, economia circular ou descarbonização da indústria: a proteção ambiental é a única verdadeira causa global que une todos os países do mundo. E as empresas?
As empresas marcam presença. O ambiente é o seu quintal e elas estão determinadas a acelerar a restauração do planeta. De facto, o desenvolvimento sustentável é um imperativo vital. Para algumas, existe mesmo uma obrigação de reparar, numa lógica de “poluidor-pagador”. Mas a proteção do ambiente é, acima de tudo, uma fonte de valor e inovação para os agentes económicos. Para uma empresa, cultivar o seu quintal é justo, útil e inspirador!
Esta responsabilidade ambiental é exercida de muitas maneiras. Cada setor, cada atividade e cada empresário contribui com as suas próprias respostas.
Finalmente, observemos que a tecnologia digital desempenha um papel eminente na capacidade das organizações de irem além da sua zona de conforto. Nos bastidores da redução dos transportes, da substituição do carbono ou da eficiência das ferramentas de produção, existe muita tecnologia digital. Cabe ao setor digital assumir essa dupla responsabilidade: dar um contributo significativo para a eliminação do carbono na economia global sem transferir o ónus para o funcionamento dos centros de dados.

O aquecimento global, a grande causa planetária do século XXI

O último relatório do IPCC¹ fala por si. Nós, humanos, somos responsáveis pelo aquecimento que afeta o nosso planeta como resultado da nossa atividade. Tem sido 1,1°C mais quente desde o final do século XIX e o início das revoluções industriais. O IPCC mostra-nos que esta pequena diferença para os seres humanos (1°C, parece irrelevante) é uma catástrofe para a humanidade. Metade da população mundial, ou seja, 3,5 mil milhões de pessoas, é considerada “altamente vulnerável“.
A catástrofe é real hoje, com o stress hídrico e alimentar que a acompanha, e será total amanhã. Se não reforçarmos as políticas atuais, o IPCC diz-nos que “o aquecimento poderá atingir 3,2°C até 2100“, com danos irreversíveis para os ecossistemas frágeis como os polos, as montanhas e as zonas costeiras.
A ONU não fica de braços cruzados, apelando ao mundo para “deter a espiral de autodestruição” e apontando para o aumento do risco de catástrofes climáticas².
Se as palavras têm algum significado, é difícil para as empresas eximirem-se à sua responsabilidade ambiental. Vamos olhar para o incêndio de frente, como fez Carine Kraus³ recentemente na assembleia geral do Carrefour, e tomar em conjunto medidas mais enérgicas.

O digital, uma alavanca verde e responsável

Para enfrentar a situação de forma eficiente e consistente, a transformação digital é um recurso amplamente comprovado, implementado em muitos contextos empresariais. Vamos dotar-nos dos meios para aproveitar a oportunidade da transformação digital e reduzir muito mais o nosso impacto ambiental. Não conheço nenhuma empresa que não esteja a fazer um esforço. Mas precisamos realmente de ir mais longe, em oposição ao greenwashing. A conceção ecológica dos produtos, que segundo um estudo multi-países5gera uma rentabilidade adicional média de 12%, deve ser imposta a todos os setores de atividade.
Atuemos como empresários, com os olhos postos nos lucros concretos e mensuráveis! Atuemos como boas empresas cidadãs, submetendo as nossas abordagens a avaliadores externos intransigentes.
Neste movimento global, vejo que é imperativo sermos responsáveis pela implementação de soluções. Para acompanhar de forma consistente os esforços de descarbonização das empresas, podemos acrescentar ao desempenho das ferramentas disponibilizadas a conceção ecológica dos softwares e do web-hosting e o desenvolvimento de funções de objetivação e de medida dos progressos realizados.

Bom para o planeta, bom para os negócios

Embora as tecnologias digitais sejam certamente um fator de desempenho ambiental, a reputação é um poderoso piloto para apoiar a corrida de fundo contra o aquecimento global.
Vamos tornar a luta contra as alterações climáticas vencível para todos! Vamos colocar meios digitais à disposição de todas as organizações. O esforço vai valer a pena. Eu diria que os acordos de Paris valem este esforço de difusão digital! E as empresas que estão a abrir caminho merecem o nosso apoio, o nosso respeito e até mesmo as nossas encomendas.

Em conclusão, a transição ambiental e a transição digital são inseparáveis. Ou, em qualquer caso, são interdependentes. Vamos manter o rumo, de modo a alimentar uma revolução industrial final, frugal, inclusiva mas também inventiva e, atrevo-me a dizer, alegre! Avancemos esquecendo o passado. Elevemo-nos sem elevar a temperatura. É possível, e quem o diz é o IPCC.“Uma redução rápida, radical e imediata das emissões de gases com efeito de estufa em todos os sectores limitaria o aquecimento global a 2°C. Uma grande transformação do sistema energético pouparia mais 0,5°C. “
Nós, as empresas, dispomos de grande parte das soluções. Vamos acelerar!

¹Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas – Relatório em 3 partes publicado em agosto de 2021, fevereiro e abril de 2022.

²Relatório publicado no final de abril de 2022

³Diretora de Envolvimento, membro do Comité Executivo do Grupo Carrefour

5A rentabilidade da conceção ecológica: uma análise económica – Instituto de Desenvolvimento de Produtos (Canadá) e Polo conceção ecológica e gestão do ciclo de vida (França)